Curso para tratoristas é o primeiro de uma série que irá qualificar produtores de Congonhas

Produtores rurais de Congonhas participaram, esta semana, de um treinamento de operação de máquinas e implementos agrícolas, como arado, grade aradora, grade niveladora e roçadeira, que é ministrado pelo Serviço Nacional de Aprendizagem Rural (SENAR). O curso foi gratuito e aconteceu graças a intermediação da Diretoria de Desenvolvimento Rural da Secretaria de Desenvolvimento Econômico, Inovação e Tecnologia da Prefeitura. O objetivo principal deste qualificação profissional é alertar os operadores das máquinas para a necessidade de priorizar a segurança e extrair o melhor rendimento possível dos equipamentos, prolongando assim também a vida útil destes. Este é o primeiro curso de uma série que esta parceria irá disponibilizar para as comunidades da cidade, de acordo com a vocação produtiva de cada uma delas.

O primeiro dia do curso se dedicou a nivelar o conhecimento técnico dos alunos, sempre enfatizando a necessidade de garantir segurança ao operador, chamando atenção para os perigos que a máquina oferece, através de videoaulas e conversas. Do segundo dia em diante, o trabalho aconteceu no campo, com instruções de uso sobre um implemento em cada dia.

“O que pretendemos é trazer para o produtor rural domínio técnico e segurança. A manutenção da máquina deve ser preventiva e nunca corretiva. O custo de manutenção da máquina no valor final de qualquer produto é alto. Quando mal operada, onera o custo do produto. Medidas simples podem produzir economias significativas, tanto em consumo de combustível, quanto no que diz respeito a vida útil de peças. Os alunos se mostraram pessoas muito interessadas em adquirir conhecimento e bastantes experientes. Está sendo uma troca de conhecimento”, analisa Gilberto Bertola Cantarutti, engenheiro agrícola e instrutor na área de mecanização agrícola do SENAR. O órgão ainda oferece a municípios interessados cursos de semeadora, adubadora de plantio direto, aplicação de agrotóxicos, entre outros.

Wandeir Ribeiro de Oliveira, produtor rural do Joaquim Murtinho, opera trator agrícola e produz silagem para comercializar. Ele recebeu uma ligação da Diretoria de Desenvolvimento Rural e resolveu participar do treinamento. “Alguns itens de segurança a gente não sabia que a máquina oferece. Até então a gente aprendeu no contato direto com o trator, mas algumas vezes aprendemos errado. O trator é perigoso de operar e, se não souber fazer direito, o acidente pode ser fatal. A gente aprendeu no curso algumas regulagens que nos possibilita ganhar rendimento na produção, diminuir o tempo de trabalho e o combustível gasto. Esse curso do SENAR trazido pela Prefeitura nos beneficiará muito”, prevê.

Milton de Oliveira, do Joaquim Murtinho, ganha a vida como tratorista. “Este treinamento é excelente para geriqueiro e para o fazendeiro. Alguns destes querem que o serviço seja executado com rapidez, mas não consideram o tipo de terreno e o risco que ele oferece. Todo mundo que possui fazenda precisa adquirir conhecimentos como estes oferecidos pelo SENAR. O trator agrícola, para mim, é máquina mais perigosa que um trator de esteira ou uma retroescavadeira. Já passei por vários apertos em acidades e agora aprendi a tomar cuidados para evitar outros. Todos devem fazer isso”, aconselha.

Ronaldo Adriano é produtor em uma das glebas da Fazenda Castanheira, no Pequeri, onde está sendo ministrado o curso de operador de trator e implementos agrícolas. No local, a família produz milho, feijão, pasto e silagem, 280 litros de leite por dia, além de possuir pesque-pague, criando o peixe em gaiolas, e restaurante. “Precisamos de trator para todas essas atividades rurais. Por isso estou começando a aprender a operar o nosso e este curso será importante para eu fazer da forma correta o serviço. Já cortei as terras para plantar o milho, que está grande. Em breve, vamos tirá-lo e plantar o feijão no lugar. Ao ouvir o instrutor, percebi que já cometi erros. Esse é mais um jeito de a Prefeitura, através da Diretoria de Desenvolvimento Rural, nos ajudar a nos mantermos no campo, melhorando a renda dos agricultores familiares. Ela já nos auxilia oferecendo a máquina que faz os silos, para limpar as lagoas, sem falar que, quem precisa, adquire adubo, calcário, mudas e sementes na compra consorciada”, testemunha.

Certificado

O SENAR possui uma certificação reconhecida por órgãos governamentais, como o Ministério do Trabalho e Previdência Social, mas também fora do País. Este certificado é de fundamental importância para um operador de máquina agrícola. “Aquele que não o tiver pode se ver desamparado, caso reivindique seus direitos junto ao INSS, Previdência Social e em uma possível fiscalização do Ministério do Trabalho”, explica o instrutor do SENAR, Giberto Bertola Cantarutti, que finaliza: “Um produtor rural que investe na qualificação de seus profissionais terá resultado positivo de forma rápida. Um profissional treinado e qualificado trabalha com mais afinco, com mais precisão, está sujeito a menos acidentes, gerando menos custos”.

Outros cursos

Além do curso de tratorista, a parceria Prefeitura de Congonhas e SENAR irá oferecer aos produtores de Congonhas diversos outros, como os de fabricação de queijo, doces, compotas, quitandas e artesanato. “Existem cerca de 30 cursos agendados para Congonhas, mas os escolhidos vão depender da vocação de cada comunidade congonhense. Faremos este estudo no Pequeri, Alto Maranhão, Santa Quitéria, Esmeril, Pires e em outras localidades do Município. Entraremos em contato com as associações de bairro para levantar a demanda local dos produtores. O prefeito Zelinho e o secretário Christian Souza Costa estão nos dando todo apoio nesta tarefa”, afirma o diretor de Desenvolvimento Rural da Prefeitura, Wedson Guerra.

Estes cursos são ministrados sem custos diretos para o Município e sem taxa de inscrição para os participantes. O que o SENAR exige são, pelo menos, dez pessoas inscritas em cada turma; que, em alguns casos como no de quitanda, os alunos levem os ingredientes, mas, em contrapartida, os produtos fabricados ficam para eles; e que a Prefeitura disponibilize o local das aulas que ofereça condições para a manipulação correta do material utilizado.

Para o secretário de Desenvolvimento Econômico, Inovação e Tecnologia da Prefeitura, Christian Souza Costa, a atual Administração Municipal “vai cada dia mais investir na qualificação do trabalho no campo em nossa cidade. Existem muitas tecnologias disponíveis para os pequenos produtores e precisamos que eles estejam aptos a usufruir disso da melhor maneira possível para melhorar cada vez mais o rendimento econômico da atividade que eles exercem”.

 

Admin Autor

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *