Fabio França recebe a Comenda do Aleijadinho em Congonhas

Em solenidade extraordinária de outorga da Comenda “Antônio Francisco Lisboa”, o Aleijadinho, a honraria foi entregue ao professor, historiador e ex-padre redentorista, Fabio França. A também ex-professora do antigo Seminário, Terezinha de Paula Costa, e ex-alunos do agraciado, como o atual vice-prefeito, Arnaldo Osório, que foi o mestre de cerimônia, Aloisio Rossi e José Eugênio Cordeiro (Bizu), a historiadora Maria da Paz, além do prefeito Zelinho, secretários e outros servidores da Prefeitura e o presidente da Câmara Municipal, Adivar Barbosa, prestigiaram a solenidade realizada nesta terça-feira, 6, na Romaria.

Em seu discurso o agraciado agradeceu ao prefeito Zelinho, ao vice, Arnaldo Osório, aos membros do Conselho da Comenda ‘Antônio Francisco Lisboa’ e ao povo de Congonhas pela homenagem. “Vocês demonstram carinho e extrema consideração para comigo, ao me concederem esta grande homenagem. Recebi a notícia com grande surpresa, porque esta é a maior homenagem que a cidade faz aos que ajudam a construir a sua história. Parecia inacreditável que meu trabalho mereceria tal reconhecimento. Fiquei muito emocionado e horado pela distinção diante do pouco que fiz para a nossa estimada Congonhas, onde passei minha adolescência, estudei e trabalhei depois de formado por mais de 10 anos. Aprendi a amar esta cidade como se fosse para mim uma nova terra, convivendo com seu povo gentil e amado, sempre protegido pelas bênçãos do Senhor Bom Jesus de Matosinhos”.

Ex-padre que pertenceu a Congregação Redentorista, Doutor em Ciências da Comunicação pela Universidade de São Paulo (ECA/USP), filósofo, professor, jornalista, relações públicas e psicólogo, Fábio França é também historiador. Uma de suas publicações é o livro Arte e Paixão: Congonhas do Aleijadinho. “Ao escrever esta obra, sabia da existência de muitas obras importantes de autores renomados e de edições luxuosas, focalizando Aleijadinho e seus feitos. Julguei, entretanto, depois de muitos anos de pesquisas e árduo trabalho, que poderia também cooperar para enaltecer o conjunto de Congonhas, partindo do princípio de que não basta a uma cidade possuir obras de arte das quais a população desconhece o valor. Sem esta consciência, a obra prima do Aleijadinho não seria admirada e defendida como o maior patrimônio histórico deste município. Queria com esse posicionamento oferecer ao povo de Congonhas uma obra interpretativa, de fácil leitura e acesso sobre o monumental conjunto religioso e artístico erguido aqui”.

O prefeito Zelinho lembrou que, quando diretor da Rádio Congonhas, Fábio França rodava a cidade com a “Vespa” da emissora e todos apontavam e diziam: “Aquele é o Padre França. Nós garotos subíamos a ladeira para ouvir a sua homilia. É uma honra muito grande estar como prefeito e colocar no seu peito esta honraria, por tudo o que o senhor representou como padre, professor e diretor da Rádio Congonhas e representa como historiador. Que Deus continue te abençoando e iluminando. Que possamos editar outros livros sobre os Profetas de Aleijadinho, como fizemos com o seu. Muito obrigado pelo carinho que tem por nós e pelo o que representa para a nossa cultura, pelo arquivo que o senhor guardou sobre a cidade e que agora está no Museu de Congonhas”, discursou.

Outros condecorados

Haviam sido condecorados com a honraria, em setembro de 2017, comio parte das festividades pela Semana do Aleijadinho, Kátia dos Santos Bogea (presidente do IPHAN, que tem contribuído substancialmente para a implementação do PAC Cidades Históricas em Congonhas), Robson Antônio de Almeida (diretor do IPHAN e um dos participantes da formatação do PAC Cidades Históricas), Antônio Odaque da Silva (secretário municipal de Planejamento, graduado em Ciências Contáveis e especializado em Gestão Empresarial e Financeira), André Sanches Candreva (servidor da Câmara Municipal, historiador dedicado à história de Congonhas e de automóveis e radialista), Davi Duarte de Oliveira (ex-prefeito de Casa Grande, advogado e ex-procurador municipal de Congonhas), Hélio Ferreira da Silva (empresário que atuou na área de transporte), José Apolinário de Oliveira (maestro, compositor e co-fundador da Trupe LATUMIA DE Teatro), Leida Lúcia Oliveira (escritora que registrou a vida de Zé Arigó e foi sua auxiliar quando jovem), Dr. Marcus Vinícius Alcântara Galvão (Promotor de Justiça da Comarca de Congonhas, que tem entre suas contribuições para a cidade ações exitosas a favor do meio ambiente e o patrimônio histórico), Maria José do Nascimento (Dona Neném, fundadora da Casa de Convivência Dom Luciano), Maria Madalena Resende (ex-servidora municipal), Sandoval de Souza Pinto (natural de Moeda, ex-ambulante e ex-comerciante, ex-vereador e figura querida dos congonhenses), VALE-AS MINERAÇÃO – representada pelo gerente executivo do Complexo Paraopeba, Rodrigo Artur Gomes de Melo, pela contribuição à economia e cultura locais, e Mozart de Carvalho (Pos Mortem), representado por Ana Gabriela Dutra Carvalho.

O violinista e compositor internacional Marcus Vinícius ainda receberá a honraria em outra oportunidade.

Admin Autor

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *