Melhor idade de Congonhas demonstra vigor na avenida

A participação de grupos da terceira idade na grande festa popular brasileira é um dos diferenciais do Carnaval de Congonhas há 11 anos. O Arrastão da Melhor Idade reúne no desfile da sexta-feira usuários do Centro de Referência do Idoso (CRI), o Grupo de Convivência da ASAPEC, Arte de Viver (Pires), Viver de Novo, Reviver da Terceira Idade (Dom Oscar), REJAM (Alto Maranhão), Renascer e POP – Poente Prateado. Estes dois últimos voltam a avenida durante a festa momesca.

O Arrastão da Melhor Idade fará o segundo desfile da sexta-feira, às 21h, logo depois do Bloco da APAE. A concentração acontece no pátio da Prefeitura, com um esquenta é um lanche, que aumenta ainda mais o ânimo. Como o próprio nome sugere, a segunda atração da noite arrasta os associados destes grupos, seus familiares e demais foliões, ao som da Banda N. Sra. d’Ajuda, do Alto maranhão, que entoa marchinhas de Carnaval. Para Dona Cecília, responsável pelo Grupo REJAM, “o desfile no arrastão é uma atividade diferente das desempenhadas durante o ano, quando os associados participam do bingo, da terapeuta ocupacional e recebem orientações médicas, graças à parceria com o Centro de Referência do Idoso (CRI). Semanas antes do desfile, os associados ficam ansiosos. Na hora, a gente esquece dor e qualquer problema”. O Grupo de Convivência da ASAPEC (Associação dos Aposentados, Pencionistas e Idosos de Congonhas e Região), coordenado pela Dona Feijó, levará para a avenida 40 componentes, vestidos com a camisa da Associação e adereços. A mais experiente deles é Dona Ana Ribeiro Felício, de 85 anos.

No domingo, às 19h, será a vez do Grupo Renascer ganhar a avenida com 75 dos 110 associados, além de parentes e amigos deles. “Nosso tema será a Primavera, mas já homenageamos o grupo de teatro Dez Pras Oito e músicos da cidade. Saímos de abadá. Haverá baianas também. Já a música não aceitamos trocar. Temos o nosso hino com o seguinte refrão: –  ♪ Eu já criei a quem tinha de criar, já ensinei a quem tinha de ensinar. Agora na melhor idade o que passou é saudades ♫.”, adianta a coordenadora do grupo, Dona Regina Bartolomeu, que destaca sorrindo de uma coincidência: “durante nosso desfile, sempre chove”.

Já na segunda-feira, às 20h, vai para a Marechal boa parte das 65 senhoras associadas ao Grupo POP – Poente Prateado, das quais 25 compõem a bateria. Elas ensaiam tarol e percussão toda terça-feira, na sede situada na Praia. No local também foram confeccionadas, desde 16 de janeiro, pelas próprias componentes, as fantasias, alegorias e adereços. Quem não tem condições de desfilar costuma ir assistir. “Este ano vamos lembrar Carmem Miranda, porque a ouvimos e dançamos muitos ao som das músicas dela no nosso tempo. Ano passado comemoramos os 15 anos do grupo e, em 2015, fizemos um Carnarraiá”, finaliza a coordenadora, Dona Rosângela.

Admin Autor

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *