Parceria Bangu e Prefeitura de Congonhas começa a somar pontos em campo e a transformar vidas fora dele

O representante de Congonhas no Campeonato Mineiro de Futebol de Base, o Bangu, venceu o tradicional Athletic, de São João Del Rei, na categoria Sub-17, por 3 a 1, nesse sábado, 14, à tarde, no Estádio Municipal Dedezão, em Joaquim Murtinho. O zagueiro Lucas aproveitou o escanteio cobrado por Artur e abriu o placar para o time da casa. Também no 1º tempo, o meia Alex recebeu bela assistência de Rafael Niquini na entrada da área e fez o 2º gol. Na etapa complementar, o meio-campo Pablo bateu de fora da área no canto, marcando o 3º gol. O time de São João Del Rei fez seu tento com Iago, também na etapa complementar, sendo que a equipe visitante criou inúmeras oportunidades e acabou sendo parada pela grande atuação do goleiro Carlos Daniel. Com a vitória, o Bangu se reabilitou da estreia com derrota para o UFJF/Asepel por 3 a 2 em Juiz de Fora.

O goleiro Carlos Daniel foi um dos destaques do Bangu com grandes defesas durante toda a partida. “Agradeço a torcida que compareceu e nos apoiou, precisamos deste apoio principalmente no segundo tempo. O meio campo nosso ainda precisa de ajustes, como necessitamos ainda de mais entrosamento e preparo físico, mas estamos superando essas dificuldades”, diz o garoto de Senhora de Oliveira, onde atua pelo 8 de Dezembro adulto. Carlos Daniel traz a experiência de já ter atuado no Estadual pelo Piranga Esporte em 2015.

O meia Alex foi o autor do 2º gol. Ele justifica a postura mais defensiva na etapa final. “O Athletic partiu pra cima e tivemos de nos segurar, graças a Deus fizemos um placar bom no primeiro tempo e pude contribuir com um gol. Depois do primeiro jogo, sinto o time mais unido”, avalia o garoto de Congonhas, que também já havia jogado no Campeonato Mineiro pelo Santarritense, de Santa Rita do Sapucaí.

Segundo o treinador da equipe Sub-17 do Bangu, Antônio Calazans, “esta foi uma bela vitória dentro de casa, os meninos correram pela família e por todo o projeto. Nós também jogamos com eles durante o tempo todo, alertando a cada lance, já que nosso maior problema é que nem todos podem vir treinar durante a semana. Teremos duas semanas para isso, e vamos crescer bastante ainda na competição”, assegura.

Sub-15

Logo depois, pelo Sub-15, o Athletic venceu o Bangu por 2 a 1, com gols de Rodrigo e Gabriel Villas Boas. Kevelin descontou. No sábado anterior, a equipe havia perdido pelo mesmo placar para o UFJF/Asepel. Os resultados são considerados até surpreendentes, porque não há jogadores suficientes para a disputa nesta categoria. Neste sábado, havia somente 11 jogadores disponíveis, que é o suficiente somente para montar a formação inicial.

A equipe adversária e o trio de arbitragem, formado nesse sábado por César Carvalho, Juliana nascimento e Claudionor Rosa, da FMF, elogiaram a qualidade do gramado e a estrutura do estádio.

O Bangu volta a campo no dia 28 de abril diante do América, de Teófilo Ontoni, às 9h pelo Sub-15 e às 11h pelo Sub-17, fora de casa.

A participação do Bangu no Estadual é viabilizada pela parceria entre o clube e a Secretaria de Esporte e Lazer da Prefeitura de Congonhas e o apoio de outros setores da Prefeitura como a Saúde, Guarda Municipal e Comunicação e Eventos, além da Polícia Militar.

Projeto esportivo e social

O Bangu participa pela primeira vez de uma competição oficial realizada pela Federação Mineira de Futebol. O treinador esportivo da Secretaria de Esporte e Lazer da Prefeitura de Congonhas e também técnico da equipe Sub-15, Luiz Fernando Assis Correa, analisa este projeto como um grande passo para o futebol local. “Esta é uma ótima oportunidade para os meninos que, muitas vezes, tinham de sair de Congonhas, gastando em cada viagem cerca de R$ 500,00, para jogar o mesmo campeonato que o Bangu agora está disputando. Atuando aqui praticamente não há custos para o garoto e a família”, lembra o treinador.

Este primeiro ano de disputa do Estadual é considerado experimental pelos envolvidos na parceria. “Todo início é repleto de dificuldades, sabemos que temos pelo caminho pedras e espinhos dos quais temos de desviar. Mas encaramos os desafios como no projeto do Futsal, pelo qual fomos o responsável por vários anos na Sel. Os resultados do projeto começarão a aparecer no médio e logo prazos. O que prometemos no curto prazo é sempre tentar melhorá-lo a cada dia”, diz Luiz Fernando.

Captação de atletas

Até por se tratar de uma iniciativa nova, ainda não se conseguiu o número suficiente de jogadores para completar os grupos do Sub-15 e do Sub-17. Mesmo com a competição em andamento, estão sendo captados novos talentos. Nascidos entre 2003 e 2004 (faixa etária do Sub-15) ou entre 2001 e 2002 (faixa etária do Sub-17) podem ser avaliados nos treinamentos que acontecem às segundas, quartas e sextas-feiras a partir das 15h no Estádio Municipal Dedezão, em Joaquim Murtinho. “Os protagonistas são os meninos e a maior dificuldade neste momento é a pequena participação de jogadores. Se conseguirmos mais jovens que deem valor ao que é oferecido para eles aqui pela Prefeitura e o Bangu, o projeto tende a crescer. Por se tratar de captação de atletas para competição neste momento, e não do trabalho normal de uma escolinha, a avaliação é mais criteriosa. Quem tiver interessado basta procurar nós treinadores, Luiz Fernando, Tuca e Antônio Calazans”, diz.

Treinador Luiz Fernando ainda conta com poucos jogadores para a disputa do Estadual Sub-15.

Apesar de tudo ser novo, o treinador esportivo da Sel avalia este início de competição como bom e lembra que o projeto tem dois viés.“A maioria destes jogadores não participou de uma competição como esta ainda. E nesta faixa etária, pode haver um desequilíbrio de rendimento da equipe de um jogo para outro. Mas o primeiro passo que cabe a nós, profissionais, é mostrar para os garotos que participam dos projetos da Secretaria de Esporte e Lazer ou de escolinhas particulares que, havendo uma evolução deles como atleta, poderão surgir oportunidade para eles em uma equipe que esteja na vitrine daquele esporte. Mas o objetivo inicial é a formação do cidadão, porque estamos lidando com jovens. Para se tornar um jogador profissional, a dificuldade é imensa. O mais importante é o estudo e o futebol é umplus neste processo. O restante é a consequência”, completa o treinador esportivo da Sel, Luiz Fernando.

O Bangu comemora a oportunidade de poder disputar o Campeonato Mineiro de Futebol de Base em duas categorias. Para o presidente Diego Rodrigues, “faz toda a diferença contarmos com o apoio da Prefeitura de Congonhas, por meio da Secretaria de Esporte e Lazer, que oferece a estrutura do Estádio Municipal Dedezão e o transporte da delegação nos jogos e o que mais for possível. Durante esta competição também contamos com o apoio da Secretaria de Saúde e da Guarda Municipal, como da Polícia Militar. Contamos também com o Clube Astra, que nos cede alguns atletas para montarmos uma equipe forte que represente Congonhas, assim eu agradeço ao treinador Juninho, e  também a atletas de outras cidades como Ouro Branco, Cipotânea, Senhora de Oliveira e seus incentivadores”.

O projeto social do Bangu é desenvolvido há 10 anos contemplando crianças de 7 anos a adolescentes de 17 anos. “Contamos com a parceria da Prefeitura e doações feitas pelo Supermercado Moura, Sandro Transportes, Parada de Minas, Agro Machado, Mercado do Celinho, Scoof, Fran Eletromecânica e Posto Profeta, que nos ajudam a fazer a diferença. Estamos tentando contribuir com o sonho de muitas crianças e adolescentes. O deles é de se tornar um jogador, o nosso é de contribuir para a educação deles. Abraçamos algumas pessoas que estavam trilhando um caminho não muito virtuoso e a melhor gratidão é quando um pai ou uma mãe nos diz que esse jovem melhorou, que as notas da escola melhoraram. Para jogar no Bangu é preciso estar matriculado e estudando. O esporte ajuda a eles nesta transformação”, finaliza o presidente do Bangu.

 

Admin Autor

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *