Glaycon apoia ações inteligentes para a destinação do lixo

Resíduos sólidos são um problema para a maioria dos municípios do Brasil

O deputado estadual Glaycon Franco participou, nesta quinta-feira, 8 de novembro, em Belo Horizonte, do ato que sacramentou a ampliação do atendimento do Consórcio Intermunicipal de Tratamento de Resíduos Sólidos (Ecotres), que passa agora a atender outros municípios, além dos três consorciados. Serão atendidos, após o licenciamento atual, os municípios de Conselheiro Lafaiete, Congonhas, Ouro Branco, Barbacena, Itaverava, Ressaquinha e Alto Rio Doce. O compartilhamento proporcionará economia e ganhos ambientais para todas as cidades.

A Licença de Operação (LO) foi concedida pela Secretaria de Estado de Meio Ambiente e Desenvolvimento Sustentável (Semad). O aterro está localizado no município de Conselheiro Lafaiete e tem capacidade para receber até 250 toneladas de resíduos por dia, com vida útil até 2028. Inicialmente, o consórcio era formado pelos municípios de Conselheiro Lafaiete, Congonhas e Ouro Branco. A licença atual tem validade até 2023.

“O que foi autorizado agora foi a adesão dos quatro novos municípios, sem alterar a capacidade original do aterro”, explica o superintendente da Superintendência de Meio Ambiente Central Metropolitana da Semad, Hidelbrando Canabrava Rodrigues Neto, que coordena a equipe que analisou a viabilidade ambiental do projeto. Ele explica que o município de Ouro Preto também manifestou interesse em aderir ao Consórcio e pode ser incluído no futuro.

Já o prefeito de Ouro Branco, Hélio Campos, que é o presidente do Ecotres, observa que o consórcio já havia resolvido o problema das três cidades – Conselheiro Lafaiete, Congonhas e Ouro Branco – e agora se amplia. Segundo ele, o trabalho começou em 2004, quando ele, na ocasião, era, também, prefeito de Ouro Branco e foi feito um diagnóstico para identificar os lixões. “Agora, os outros municípios perceberam o trabalho bem feito e aderiram”, afirma.

O Secretário Executivo do Ecotres, Luiz Cláudio Grossi, informa que o consórcio tem realizado ações no sentido de aumentar a coleta seletiva, o que é ambientalmente inteligente, potencializando, também, a educação ambiental. Segundo Grossi, no ano de 2017, o Ecotres recebeu mais de 1.000 alunos das escolas dos três municípios. Para 2018, a previsão é concluir o ano com educação ambiental de 1.500 alunos.

Para o secretário de Estado de Meio Ambiente e Desenvolvimento Sustentável, Germano Vieira, o consorciamento é a solução ideal para resolver problemas ambientais locais. “Os consórcios podem ser aplicados inclusive ao licenciamento, permitindo avanços aos municípios e melhorando a eficiência ambiental”, explica. Ele lembra que a Semad oferece capacitação técnica para apoiar os gestores municipais e os consórcios.

O deputado Glaycon Franco observa que a região é composta por muitos municípios pequenos e com dificuldades financeiras. “Conseguimos trabalhar de forma regionalizada com nossos gestores em diversas frentes, como é agora o caso da disposição de resíduos, sendo utilizada para educação ambiental. Essa parceria só produzirá ganhos para todos. Ganha a bacia hidrográfica, que fica mais preservada. A coleta seletiva, além dos benefícios ambientais, tem grande impacto social, inclusive econômico. E ainda auxiliamos os prefeitos, que têm tido dificuldades com o Ministério Público nas questões de deposição de lixo, ainda mais neste momento em que enfrentamos grande dificuldade financeira”, destaca.

Glaycon Franco, que é presidente da Comissão de Meio Ambiente e Desenvolvimento Sustentável da Assembleia Legislativa de Minas Gerais tem buscado, também, via consórcio, a implantação do licenciamento ambiental regional, programa pioneiro que beneficiará uma grande quantidade de municípios no interior de Minas Gerais.

 

Admin Autor

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *