Prontuário Eletrônico torna serviço da Atenção Básica em Saúde mais ágil e eficaz em Congonhas

As 28 Unidades Básicas de Saúde (UBS’s) do Município estão informatizadas e interligadas por meio do Sistema de Prontuário Eletrônico (PEC), criado pelo Sistema Único de Saúde, o SUS. A medida moderniza o atendimento e o registro de dados, que conterá o histórico do paciente e o relatório de atividades das equipes da Estratégia de Saúde da Família. Para que seus dados sejam acessados, o usuário precisa apresentar nos postos de saúde o Cartão do SUS.

 

O sistema visa a dar maior agilidade no atendimento ao cidadão, principalmente no processo de classificação de risco, melhor eficiência na gestão dos gastos públicos e contribui para reduzir custos da prestação dos serviços em saúde.

Procedimentos registrados, como consultas médicas, odontológicas, além de resultados de exames dos pacientes do SUS atendidos na Atenção Básica ou mesmo o registro das visitas de agentes de saúde estarão a um clique do profissional da Atenção Básica. A transmissão 100% digital dos dados da rede municipal à base nacional possibilita também que o Ministério da Saúde confira online como está sendo investido cada real do SUS, na saúde do brasileiro.

Para que isso aconteça, todas as Unidades Básicas de Saúde foram equipadas com computadores, conectividade e seus profissionais passam por qualificação antes de se integrarem ao sistema, também conhecido como PEC e-SUS AB.

A médica da família e comunidade da UBS Basílica, Michelle Patricia Barbosa Pereira, comemora a novidade. “Com a implantação do PEC, agora temos acesso rápido às informações de saúde do paciente, como que remédios que ele toma, vacinas que já tomou e as que ainda precisa tomar, tudo fica gravado em um único sistema, o que facilitou demais, tanto na organização da agenda dos profissionais, quanto no fluxo de atendimento e nos serviços prestados pela UBS”.

Para Tatiane Cristina da Fonseca, enfermeira do PSF Cinquentenário, o prontuário eletrônico passa a organizar o trabalho da equipe de Estratégia de Saúde da Família. “Ele nos mostra, na tela do computador, o horário da chegada do paciente à unidade, o horário do atendimento, evita alguma confusão à respeito, direciona também os usuários para os profissionais adequados. Além disso, este sistema gera relatórios com o número de atendimentos do médico, do enfermeiro, do técnico e também por tipo de atendimento, apontando, por exemplo, quantos diabéticos e hipertensos foram atendidos”.

A enfermeira lembra que, no caso de pacientes que se mudam para outro bairro, o prontuário de papel costuma demorar até duas semanas para chegar. Se ele quer fazer uma consulta, renovar uma receita, principalmente no caso daquele de quadro clínico mais graves e que toma muita medicação, vai procurar o posto de saúde bem rápido e os dados dele já estarão lá. Há também o que chega de outra cidade, e não traz consigo o histórico. Com a implantação deste sistema, será possível conferir qual o tratamento que esse paciente está seguindo.

Neste pouco mais de um mês de implantação do Sistema de Prontuário Eletrônico na Unidade Básica de Saúde do Cinquentenário, alguns pacientes já foram atendidos até três vezes. “Alguns já passaram pelo médico, pela enfermeira, pelo NASF. Então já temos essas informações deles reunidas para consulta, sem termos de conferi-las com cada profissional de outras áreas da esquipe. Esse prontuário associado à caderneta do idoso, que recebemos este ano e que contém dados como medicações, quadro de cirurgias, se há problemas crônicos, se está fazendo algum tratamento, vão facilitar a condensação de informações e tornar o trabalho ainda mais efetivo”, conclui Tatiane.

Viviane Fernanda Costa, enfermeira do PSF Basílica, já utiliza o sistema há quase um mês naquela unidade e solicita, neste início de trabalho, um pouco de paciência aos usuários. “Estamos precisando conversar com eles, explicar que há uma nova organização do serviço, que utiliza fila de espera que passa por uma prioridade de atendimento. A primeira consulta de cada usuário também demora um pouco mais do que o normal, porque aproveitamos alguns dados importantes do paciente que já estavam no prontuário de papel e precisamos colher outros para alimentar o sistema. Quando os pacientes já tiverem seus dados registrados neste sistema, todos os procedimentos se tornarão mais ágeis”, diz.

A proposta do SUS é, após modernizar o serviço de a atenção básica, estender o Sistema de Prontuário Eletrônico para a urgência, a média e alta complexidades. Com esta futura integração, será possível monitorar o atendimento ao paciente por toda a rede.

Admin Autor

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *